Telefone / Whatsapp: (41) 9 9643-7333

Clínica de tratamento em Curitiba para crises emocionais, estresse, ansiedade, pânico, depressão e problemas afetivos e sexuais

Saúde Sexual Masculina

BEM VINDO AO SERVIÇO DE SAÚDE SEXUAL MASCULINA DA CLÍNICA DR. LINCOLN ANDRADE

Distúrbios sexuais masculinos podem causar grave sofrimento psicológico e emocional ao homem e a sua parceira, e podem ter diferentes causas. 

A sexualidade humana é uma área complexa da saúde, na qual conhecimentos de clínica médica geral, urologia, ginecologia, endocrinologia, psiquiatria, psicologia e fisioterapia se entrelaçam, constituindo a área da sexologia médica, cujo objetivo são os cuidados da saúde sexual  de homens e mulheres.

Em nossa clínica procuramos abordar o tratamento dos problemas da sexualidade masculina tendo como foco a  saúde mental e emocional do paciente, pois todas as disfunções sexuais masculinas, mesmo quando têm uma causa orgânica, tem sempre o componente emocional associado. 

Dr. Lincoln Cesar Andrade é médico psiquiatra e também especialista em sexualidade humana, o que facilita muito essa abordagem mente e corpo da sexualidade masculina. 

Somos especializados no tratamento dos aspectos psicológicos, emocionais e psiquiátricos das disfunções sexuais e demais transtornos da sexualidade masculina!

A busca da solução para uma disfunção sexual costuma ser adiada pelo homem, às vezes por anos, deixando para procurar auxílio profissional quando a situação está muito complicada, muitas vezes por imposição da parceira.

Um comentário comum dos nossos pacientes, por ocasião da primeira consulta, é que não sabiam a quem recorrer para lidar com seus problemas sexuais e afetivos, e se sentiam envergonhados só de pensar em falar a respeito do assunto com um médico.

O tratamento depende de uma avaliação  bastante detalhada, e costuma produzir bons resultados. Na maioria dos casos o problema se resolve com orientação sexual, psicoterapia sexual e/ou medicamentos. Casos de maior gravidade, como, por exemplo, a disfunção erétil de causa orgânica importante, identificável e comprovada, podem demandar  tratamentos mais invasivos, que envolvem injeções penianas e até cirurgia.  

Um grande problema é que a saúde sexual e afetiva costuma ser uma espécie de assunto tabu em nossa sociedade, o que causa muita desinformação a respeito de como é realizado o tratamento ético das disfunções sexuais masculinas. Essa desinformação permite que alguns profissionais de saúde e certas clínicas sem a necessária ética ofereçam tratamentos rápidos, milagrosos e caríssimos na internet, aumentando assim a frustração e o sofrimento dos pacientes que os procuram.


A saúde sexual masculina é bastante complexa, e envolve três componentes básicos, que todo homem deveria conhecer em detalhes:

1. O pênis, sua estrutura e o processo de ereção, algo incrivelmente complexo e admirável

2. A mente erótica masculina, poderosa e frágil ao mesmo tempo

3. A sua saúde global – física, mental e emocional – da qual dependem  os dois componentes anteriores, mas que, infelizmente, costuma ser negligenciada por uma questão cultural e e educacional.

As principais queixas sexuais masculinas são:

1. Disfunção erétil DE), conhecida popularmente como impotência sexual, a causa mais frequente de procura por tratamento.

2. Ejaculação rápida (precoce)

3. Perda ou redução acentuada do desejo sexual.

4. Compulsão sexual

5. Dependência de pornografia e masturbação excessiva

Os fatores predisponentes e as causas básicas de disfunção erétil, ejaculação precoce e baixa libido se dividem em 5 grupos: 

1. Causas psicológicas e psiquiátricas, as mais frequentes

2. Causas vasculares

3. Causas hormonais

4. Causas neurológicas

5. Uso de certos medicamentos

Abaixo estão listados fatores predisponentes e possíveis causas de disfunção erétil, lembrando que muitas delas também contribuem para a ejaculação rápida e perda da libido:

1. Medo de falhar (ansiedade de desempenho sexual)

2. Estresse alto e prolongado

3. Libido baixa ou inexistente

4. Transtornos psiquiátricos, como ansiedade, depressão e outros, e traumas psicológicos, além de problemas conjugais

5. Ejaculação precoce

6. Uso de certos medicamentos de diferentes classes farmacológicas, que afetam negativamente a libido, a ereção ou a ejaculação

7. Inibição emocional e social grave causada pela crença de ter um pênis pequeno, ou mesmo ter realmente um micro pênis, que é definido como pênis abaixo de 7 cm de comprimento em ereção).

8. Alimentação ruim + Sedentarismo + obesidade

9. Hipertensão arterial sistêmica (HAS)

10. Diabetes avançada

11. Dislipidemia (alteração crônica das gorduras no sangue)

12. Doença cardíaca grave

13. Doença da tireoide não controlada

14. Uso abusivo e/ou dependência de tabaco, álcool ou drogas

15. Hipogonadismo masculino do adulto (alteração sexual e física por deficiência importante de testosterona)

16. Certas doenças neurológicas

17. Histórico de doença da próstata, como o câncer, e tratamento com irradiação ou cirurgia pélvica

18. Doenças que alteram a anatomia do pênis, como a doença de Peyronie

19. Insônia e/ou dormir um número insuficiente de horas por noite

20. Certas doenças (infecções) sexualmente transmissíveis (DST´s)/IST´s)

21.  Ciclismo intenso ou profissional

22. Prejuízos próprios do processo de envelhecimento

O tratamento da disfunção erétil (DE) se divide em 3 níveis, de acordo com a gravidade:

1) Tratamento de primeira linha: abrange aproximadamente 70 a 80% dos casos de DE. Esses casos têm causa psicológica e emocional em sua  grande maioria, e podem também ter causa orgânica leve. O tratamento pode envolver orientação sexual, terapia sexual, medicamentos, cuidados com a saúde global ou uma associação desses recursos de tratamento. Quando a DE tem causa orgânica e psicológica associadas é denominada DE mista.

2) Tratamento de segunda linha: para casos de DE de causa orgânica de maior gravidade. Envolve  procedimentos um tanto invasivos, como injeção intrapeniana, e é realizada por médicos andrologistas. Geralmente necessita de terapia sexual, para as questões emocionais associadas.

3) Tratamento de terceira linha: para casos de DE com causa orgânica muito grave, nos quais todos os demais métodos de tratamento falharam, e envolve a implantação cirúrgica de prótese peniana, sendo realizada por cirurgião. Frequentemente requer terapia sexual após o implante da prótese, para o aprendizado do uso adequado da prótese nos contextos íntimos.

 
Conheça abaixo as disfunções sexuais masculinas tratadas frequentemente na clínica Dr. Lincoln Andrade:

Lembre-se sempre de que o primeiro passo para um tratamento eficaz em sexologia é uma avaliação rigorosa para a identificação da causa da disfunção. Sem isso, é grande o risco de insucesso e frustração do paciente. Todo bom tratamento começa com a disposição do médico em ouvir o paciente sem pressa e investigar com rigor os possíveis fatores causais da disfunção sexual.

 
1. Disfunção Erétil (DE) de origem psicológica (conhecida popularmente como ansiedade de desempenho sexual ou medo de falhar)

Uma das mais frequentes e angustiantes queixas sexuais masculinas, a disfunção erétil de origem psicológica geralmente afeta homens jovens, muitos deles com outros transtornos de ansiedade associados. Pode afetar também homens de meia idade ou mais velhos, que tiveram falhas eréteis repetidas e se sentem muito inseguros sexualmente.

Trata-se sempre de uma espécie de urgência sexual masculina, principalmente diante de sinais de insatisfação sexual da parceira, com forte impacto sobre a qualidade de vida afetiva e sexual, e sobre a autoestima masculina.

Infelizmente, por vergonha, medo de constrangimento e até mesmo desinformação, muitos homens não procuram atendimento com médico especialista em sexualidade humana e experiência em saúde mental, terapia sexual e  tratamento de DE psicogênica.

A DE psicogênica tem como raízes principais a insegurança e a ansiedade, e costuma ser uma parte muito negligenciada do tratamento da disfunção erétil, visto que homens com DE buscam tratamento com os médicos urologistas e não costumam aceitar muito bem quando os urologistas identificam uma causa psicoemocional e encaminham ao psiquiatra. 

Outro aspecto importante da DE psicogênica é que frequentemente está associada com transtornos psiquiátricos, principalmente transtornos de ansiedade e depressão, que sem tratamento adequado dificultam ou mesmo impedem a resolução do problema.

A avaliação diagnóstica e o tratamento psicofarmacológico e psicológico de transtornos de ansiedade, entre eles a  ansiedade de desempenho sexual, exigem que o profissional tenha experiência em psiquiatria e manejo psicofarmacológico, para a escolha de psicofármacos que tratem a ansiedade e não prejudiquem a libido ou a ejaculação e o orgasmo. Também é importante que o profissional tenha conhecimentos de terapia sexual.  

 
2. Disfunção Erétil (DE) mista (de causa orgânica e psicológica)

Uma vez identificada uma causa orgânica para a DE, quase sempre o homem está também psicologicamente afetado, razão de se chamar de DE mista.

Qualquer causa orgânica de DE  pode variar desde leve até muito grave, e necessita de avaliação criteriosa para a escolha do melhor tratamento.

O tratamento inicial  envolve quase sempre medicamentos, terapia sexual e também o uso de recursos progressivamente mais invasivos, de acordo com o nível de gravidade da causa orgânica, incluindo  injeções penianas. A partir  do uso desses recursos mais invasivos, os tratamentos são chamados de tratamentos de segunda linha, e têm esse nome devido ao maior nível de gravidade da causa da DE.

Em último caso, quando todos os tratamentos anteriores falharam, a alternativa  que resta é o implante de prótese peniana.  Quando a gravidade da condição orgânica da DE exigir injeção peniana ou implante de prótese peniana, o tratamento é realizado por médico andrologista com experiência em cirurgia peniana. O implante de prótese peniana costuma ter resultados muito satisfatórios para o paciente e a parceira.

É importante lembrar que mesmo nos tratamentos mais invasivos os aspectos psicológicos e emocionais da DE devem ser abordados com seriedade, sob risco de falha de tratamento. Um exemplo típico é a aversão do paciente ou da parceira diante da necessidade de injeções penianas durante o encontro íntimo, ou a relação sexual do homem em uso de prótese peniana quando não está excitado, “por obrigação”, gerando insatisfação, dificuldade para atingir o orgasmo e frustração do paciente e da parceira.

Nesses casos de DE que envolvem procedimentos realizados por andrologistas, a Clinica Dr. Lincoln Andrade oferece tratamento para os aspectos psicológicos, emocionais e psiquiátricos dos pacientes.  

 

3. Ejaculação Precoce (Rápida)

Popularmente conhecida como ejaculação precoce (EP), a ejaculação rápida é uma da queixas sexuais mais comuns em homens, e é a queixa mais comum em homens jovens, na primeira metade da vida, e também de suas parceiras.

Trata-se de uma disfunção sexual difícil de definir, pois a noção de tempo necessário de relação sexual até que se chegue ao orgasmo e ejaculação é muito variável. Dúvidas a respeito não faltam. O problema é do homem? Da necessidade maior de estimulação para a plena satisfação sexual da mulher? Quem decide isso? A origem é psicológica ou tem causa orgânica? Ocorre antes ou durante a penetração?

Devido a essa falta de critérios objetivos, costuma-se dizer que definir claramente a ejaculação precoce é difícil, mas reconhecer que o problema existe é fácil.

Para que exista mais clareza na definiçção, utilizam-se 3 critérios associados:

  • Tempo diminuído para se chegar à ejaculação
  • Incapacidade do homem em controlar as sensações que precedem a ejaculação
  • Sofrimento importante do homem e/ou do casal devido ao problema ejaculatório

As causas da EP podem ser orgânicas, comportamentais ou ambas, e aproximadamente 1/4 dos homens sofrem dessa disfunção. A causa orgânica é uma espécie de programação biológica do sistema nervoso para a ejaculação rápida. A causa emocional/comportamental é a ansiedade.

A boa notícia é que a ejaculação precoce tem métodos de tratamento bastante eficazes, tanto medicamentosos quanto em treinamento comportamental. Caso você sofra devido a ejaculação rápida não se angustie, procure um médico especialista em sexualidade humana e resolva seu problema.

 
4. Baixo desejo sexual

Uma das grandes dificuldades em tratar problemas de desejo sexual é o fato de as causas do desejo sexual baixo ou ausente serem muito variadas, fazendo com que seu tratamento seja um dos grandes desafios da sexologia médica. Muitos homens que comparecem à uma consulta com queixa de disfunção erétil têm na verdade problemas de libido. Abaixo seguem exemplos de fatores predisponentes e/ou causas comuns de problemas de desejo sexual:

a) Causas biológicas: desequilíbrio hormonal, certos medicamentos, alterações em neurotransmissores, doenças crônicas, estresse crônico, insônia

b) Causas psicológicas e psiquiátricas: ansiedade, depressão unipolar e bipolar e muitas outras psicopatologias

c) Causas ligadas ao desenvolvimento: educação sexualmente repressiva; infância ou adolescência marcados por privação afetiva ou de contato físico; trauma sexual

d) Causas interpessoais: relacionamento conflituoso, falta de respeito, problemas sexuais do parceiro, infidelidade

e) Causas culturais: crenças religiosas sexualmente restritivas;  padrões morais rígidos

f) Fatores situacionais: falta de privacidade, segurança, tranquilidade

Diante de tantas possíveis causas de

Diante de tantas possíveis causas de problemas de libido, fica fácil entender o porquê da necessidade de uma avaliação rigorosa para o diagnóstico e o tratamento de disfunções sexuais, a começar pela eliminação do mito de que o homem que se preza está sempre pronto para uma relação sexual.

 
5. Disfunção sexual causada por antidepressivos e outros psicofármacos

Trata-se de redução ou perda da libido, assim como dificuldade de excitação e ereção, além de demora excessiva para chegar ao orgasmo, quando se devem ao uso de medicamentos prescritos para o tratamento de transtornos psiquiátricos.

Quando a disfunção sexual é causada pelo uso de medicamentos, muitas vezes é possível buscar melhorar a função sexual pelo ajuste da dose, mudança dos medicamentos ou associação de um medicamento que melhora a resposta sexual.

Há, porém, casos em que não é possível nem recomendável a mudança dos medicamentos devido a gravidade da doença de base.

Seja qual for o caso, vale a pena revisar os medicamentos para avaliar se são possíveis causadores da disfunção e se é viável a substituição dos mesmos.

 
6. Compulsão sexual

Trata-se de quadro clínico que faz parte de um grupo de transtornos psiquiátricos conhecidos como dependências comportamentais. Nele não há dependência de uma substância química, mas dependência de um comportamento sexual compulsivo, de difícil controle.

Pessoas que sofrem com compulsão sexual, também conhecida como dependência de sexo ou comportamento sexual fora de controle, têm pouco ou nenhum controle sobre seus impulsos sexuais. Geralmente são homens, na proporção de 8 homens para cada mulher.

Homens que sofrem de dependência de sexo costumam ter vida sexual dupla, com uma parte da vida sexual completamente oculta das suas parcerias, e vivem divididos entre o prazer, a culpa, a vergonha e o sentimento de descontrole.

Quando a vida sexual oculta do homem com compulsão sexual é descoberta pela parceria, ocorre grande sofrimento para ambos, e até divórcio.

Trata-se de um transtorno sexual tratável, cujo tratamento envolve  uma rigorosa avaliação psiquiátrica, de preferência com um psiquiatra especialista em sexualidade humana. Esta avaliação rigorosa permite avaliar a gravidade da compulsão e outros quadro psiquiátricos que costumam contribuir para a persistência ou agravamento do transtorno.   

O tratamento depende do tempo de evolução do problema, nível de gravidade, comorbidades psiquiátricas e vários outros aspectos da vida do paciente. O uso de medicamentos e psicoterapia especializada são essenciais para o controle do comportamento sexual compulsivo. A compulsão sexual no homem é conhecida popularmente como satiríase.

 

7. Dependência de pornografia e masturbação compulsiva

Tanto o uso problemático de pornografia quanto a masturbação excessiva constituem dependências comportamentais cada vez mais comuns e frequentes.  Trata-se de um quadro psiquiátrico e sexual muito mais comum em homens, mas com número crescente de mulheres acometidas. 

Pesquisas têm demonstrado que crianças a partir de 8 anos tem acessado pornografia na internet, algo muito preocupante, com potencial de causar sérios prejuízos ao desenvolvimento psicossexual de crianças, adolescentes e jovens.

A dependência de pornografia causa severos prejuízos a pessoa que sofre deste transtorno, podendo prejudicar a libido, a ereção ou lubrificação vaginal, a capacidade de atingir o orgasmo e provocar muitos outros danos psicológicos, relacionais, conjugais, profissionais e financeiros.

O tratamento depende do tempo de evolução do problema, nível de gravidade, comorbidades psiquiátricas e vários outros aspectos da vida do paciente, e envolve medicamentos e psicoterapia especializada como abordagens essenciais para o controle desse transtorno.

8. Comportamentos sexuais não convencionais

Os comportamentos sexuais não convencionais somente devem ser foco de tratamento quando causam sofrimento psicológico e emocional para  o homem e/ou para sua parceria, ou quando fora de controle, podendo ocasionar riscos e consequências indesejadas para si ou para terceiros. Nesses casos o tratamento envolve abordagem psicoterápica e medicamentosa quando necessário. Pesquisas demonstram que pessoas com comportamento sexual não convencional frequentemente apresentar altas taxas de depressão, ansiedade, uso de álcool e drogas, dependência de pornografia e masturbação compulsiva, assim como compulsão sexual. 

Homens que se excitam ao se vestir com roupas femininas (Crossdressers)

Crossdressers são homens que se excitam sexualmente ao usar roupas do vestuário feminino e ao se sentirem mulheres, mesmo que temporariamente. São geralmente heterossexuais, frequentemente casados, com filhos, mas que costumam ter um guarda-roupas feminino oculto de suas parcerias.  Mas alguns desses homens também podem, em diferentes graus, estar no caminho da adoção de uma identidade transgênero feminina e mesmo vir a reconhecer sua orientação sexual como bissexual ou homossexual. Neste último caso apresentam a chamada “disforia de gênero”, que pode ser traduzida como algum grau de discrepância entre seu sexo biológico masculino e seu sentimento interno de identidade sexual. Vale citar que também existem mulheres crossdressers. 

Homens que se excitam sexualmente por travestis

Homens que se excitam sexualmente por travestis fazem parte de uma população masculina muito pouco estudada, quase invisível aos pesquisadores, que pode ser vista circulando com seus automóveis a noite, nos finais de semana, em ruas mal iluminadas frequentadas por  travestis, geralmente buscando contato sexual. Não costumam se interessar sexualmente por mulheres transexuais. 

Homens com transtornos parafílicos

Homens com transtornos parafílicos se excitam sexualmente de muitas maneiras diferentes, maneiras essa que variam de acordo com cada transtorno, o que pode ocasionar distúrbios sexuais e conjugais.  Alguns desses transtornos têm como característica principal a impossibilidade ou incapacidade da outra pessoa, envolvida direta ou indiretamente na excitação sexual da pessoa que apresenta o transtorno parafílico, em consentir com a prática sexual. As pessoas que sofrem de certos transtornos parafílicos podem também vir a colocar o outro ou se colocar em situação de risco e mesmo de ofensa sexual. Muitas desses homens podem vir a se se envolver em situações legais e criminais. Exemplos desses transtornos são o transtorno de exibicionismo, transtorno de frotteurismo, transtorno de voyeurismo e transtorno de pedofilia*, entre outros. 

*A clínica Dr. Lincoln Andrade não atende pacientes com transtorno de pedofilia.

 
9. Ciúme patológico 

O ciúme patológico ocorre com homens que sentem ciúme excessivo o tempo todo, em qualquer situação, sempre com a impressão de que a parceira é infiel, sempre achando que ela olha para pessoas do sexo oposto com interesse afetivo ou sexual. Trata-se de quadro psiquiátrico capaz de destruir qualquer relacionamento, exigindo diagnóstico preciso e tratamento medicamentoso e psicoterápico.

10. TOC de conteúdo sexual

O Transtorno Obsessivo Compulsivo pode se manifestar com pensamentos obsessivos de conteúdo sexual, causando grande angústia ao paciente e confusão diagnóstica entre profissionais de saúde mental sem formação e  experiência em sexologia.  Os pensamento obsessivos sexuais podem ter  conteúdo de pedofilia, homossexualidade, transexualidade, infidelidade, entre outros. Muitas pessoas que sofrem de TOC sexual não entendem seus sintomas nem sabem que têm TOC, e muitas não procuram tratamento por medo de serem julgadas como pervertidas, pedófilas ou serem vítimas de preconceito. 

 

Dr. Lincoln c. Andrade costuma dizer que seu trabalho se inicia pelo respeito aos sentimentos de quem sofre por problemas sexuais e afetivos.

Ficamos felizes em saber que já conseguimos ajudar muitos homens a enfrentar difíceis momentos em sua vida amorosa  e superá-los.

Caso você esteja sofrendo devido a problemas  sexuais, com repercussões sobre sua vida amorosa e sua qualidade de vida, não fique paralisado devido ao medo de se expor, nem tome atitudes irrefletidas baseadas em informações questionáveis encontradas na internet. Agende sua consulta com Dr. Lincoln C. Andrade e receba todo suporte que necessita.

Telefone/Whatsapp: (41) 996437333.

Dr. Lincoln Cesar Andrade é médico formado pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná, com Especialização em Sexualidade Humana pelo Projeto Sexualidade (PROSEX) da Faculdade de Medicina da USP e residência médica em Psiquiatria pelo Hospital das Clínicas da USP (HC/RP-USP). Tem quinze anos de experiência em tratamento, consultoria e aconselhamento para problemas sexuais e de relacionamento amoroso e 20 anos de experiência no atendimento de pessoas em crise emocional devido a problemas ligados a relacionamento amoroso ou à vida sexual.

Devido a sua larga experiência no tratamento de disfunções sexuais e transtornos psiquiátricos, Dr. Lincoln preenche uma importante lacuna da medicina, aquela na qual sexualidade humana, medicina sexual e saúde mental se encontram.

“Cuide bem da sua saúde sexual . Venha para a Clínica Dr. Lincoln Cesar Andrade”

ON LOVE é o serviço de atenção à saúde sexual e de relacionamentos da Clínica Dr. Lincoln Andrade.

Artigos sobre sexualidade​