Estresse excessivo e afastamento do trabalho

Dados do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) informam que em 2012 os gastos com auxílio doença concedidos por transtornos mentais ultrapassou R$ 218 milhões.
Chama a atenção o número de trabalhadores afastados e o valor das indenizações, porém para profissionais de saúde mental tais dados não chegam a causar espanto, visto que estão acostumados com queixas de seus pacientes relacionadas a sofrimento mental causado por estresse no trabalho.

Qual a razão para tamanho gasto do INSS com auxílio doença por transtornos mentais? Seguem abaixo muitas razões que se sobrepõem como causa de afastamentos do trabalho por problemas de saúde mental:

  • Pressão excessiva por desempenho
  • Sobrecarga de trabalho
  • Metas cada vez maiores a atingir
  • Falta de respeito
  • Falta de reconhecimento do esforço do trabalhador
  • Controle rigoroso de horários (as vezes até para ir ao banheiro)
  • Poucos ou muito curtos intervalos durante a jornada de trabalho
  • Ameaças constantes de demissão
  • Assédio moral

Há ainda muitas outras formas de desumanização do ambiente de trabalho,  que isoladas ou em conjunto podem conduzir a necesidade de afastamento do trabalho. Hoje em dia é comum ouvir expressões como “dar o sangue pela empresa”, o que diz muito a respeito de relações de trabalho complicadas.

Produtividade é uma meta que deve ser perseguida, mas o que se percebe hoje é que os  responsáveis pela gestão de grande parte das empresas parece querer do funcionário algo além daquilo que seu corpo e mente permitem, resultando disso quadros como síndrome de burnout (esgotamento profissional), Transtorno de pânico, transtorno de estresse pós-traumático e um sem número de diferentes caso de Transtornos de somatização, frequentemente levando pessoas ao afastamento do trabalho.

Não é incomum em minha  prática médica diária, no atendimento de psiquiatria ocupacional e do trabalho, a necessidade de afastamento do trabalho de pacientes em estado de exaustão e adoecimento emocional devido a sobrecarga física e mental no exercício de sua ocupação.

Para que o excesso de demanda do trabalhador seja aliviado é preciso que gestores sejam ensinados sobre os sinais que indicam que a pessoa está a beira do limite, e que tais limites sejam respeitados, lembrando ainda que a capacidade de enfrentamento do estresse varia de pessoa para pessoa.

Infelizmente parece que muitos gestores, de muitas empresas, parecem nunca entender que a partir de um certo nível de exigência o que se obtém não é aumento de produtividade, mas funcionários estressados, adoecidos, faltas ao trabalho, afastamentos, demissões e problemas trabalhistas.

Texto do Dr. Lincoln Cesar Andrade
permitida reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site)

 

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário