Estresse, ansiedade e vida espiritual

0000No mundo moderno está se tornando bastante incomum alguém ouvir o médico falar em vida espiritual e em Deus durante uma consulta, o que já foi comum no passado. Em um passado não tão distante, médicos, padres, pastores, pajés, curadores, todos entendiam haver uma profunda ligação entre a saúde e os aspectos espirituais  da existência.

Com o advento da tecnologia e da ciência, o pêndulo se deslocou da fé para a o que é científico, e o mundo perdeu seus mistérios e se tornou um lugar onde a ciência tudo explica, onde fenômenos naturais grandiosos são explicados por equações matemáticas. Com isso "mataram Deus", pelo menos na mente de muitas pessoas, e a dimensão sagrada de todas as coisas perdeu muito de sua importância no entendimento sobre o mundo.

Mas, afinal, o que tem isso a ver com estresse e ansiedade? Explico a seguir.

É perfeitamente possível viver bem e se sentir seguro neste mundo tecnológico e materialista, até que algo importante fuja do controle: uma doença grave, a perda de um ente querido ou a completa perda da segurança financeira. Tais eventos estressantes têm o poder de evidenciar nossa fragilidade e pequenez diante da natureza, da ordem natural das coisas.  E quando o sentimento de insegurança se torna grande demais, quando o sentido de vida começa a se perder, percebemos que o verdadeiro sentido da existência está além de tecnologia, dinheiro ou bens materiais.

Diante do desespero, naturalmente sentimos a necessidade urgente de amparo, e mesmo o maior dos ateus pensa em Deus criador, busca apoio espiritual, vai a igreja talvez pela primeira vez de fato. Outros vão aos centros espíritas, aos terreiros de umbanda, aos templos budistas, mas todos em busca de algo maior, um poder maior,  algo que traga sentido à vida e represente esperança e salvação.

Como médico que trabalha há tantos anos com pessoas sofrendo por estresse, ansiedade, medo e depressão, tenho visto continuamente a diferença existente entre pessoas que têm uma prática espiritual regular e as que não têm, quando se trata de enfrentar a adversidade. A quem possa parecer que neste artigo estou fazendo evangelização, faço questão de deixar claro que minha visão é médica e não religiosa. Mas fica evidente que sou favorável à prática espiritual genuína como parte importante dos cuidados com a saúde mental e física.

Vamos tomar como exemplo a oração.  Orar regularmente traz enormes benefícios para uma pessoa angustiada: permite um sentimento de conexão com o divino e supremo, preenche a mente com estímulos positivos e esperança, protege a mente de estímulos negativos, acalma mente e corpo e traz alívio e paz. Todos esses benefícios são fatores curativos para o ser humano.

Outra coisa que a prática espiritual traz é o sentimento de comunidade, de pertencimento à algo maior, uma congregação com uma finalidade do bem, o que traz um sentimento de apoio e amparo em momentos de dificuldade e enriquece a vida como um todo.

Escrevo isso como médico psiquiatra experiente: muitas situações de vida ocasionam sofrimento importante e exigem o uso de medicamentos, mas a oração e o sentimento de comunidade na pratica religiosa são os maiores  remédios naturais que Deus nos deu. Infelizmente,  muitos de nós não sabem como usar  ou não compreendem esse remédio poderoso. É preciso praticar a oração para sentir e obter os benefícios.

A devoção ao que é divino, a gratidão, o exercício da compaixão, do amor ao próximo, da humildade e da caridade, tudo isso são fatores geradores de tranquilidade, calma, paz e significado, e que uma pessoa pode trazer para sua vida pela prática espiritual verdadeira, algo que nenhum remédio sintético pode substituir.

Texto escrito pelo  Dr. Lincoln C. Andrade

Permitida a reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site).

Críticas e comentários pelo email:  saude@lincolnandrade.com.br

*Dr. Lincoln C. Andrade é médico psiquiatra especializado no tratamento de crises emocionais, estresse e transtornos de ansiedade. Agendamento de consultas pelo fone (41) 30391890 e 996437333.

 

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário