fbpx Crise de ansiedade por descoberta de infidelidade através do whatsapp ou redes sociais - Dr. Lincoln Andrade - Psiquiatra em Curitiba

Telefone / Whatsapp: (41) 9 9643-7333

Clínica de tratamento em Curitiba para crises emocionais, estresse, ansiedade, pânico, depressão e problemas afetivos e sexuais

tratamento-do-estresse-e-ansiedade-em-curitiba

Crise de ansiedade por descoberta de infidelidade através do whatsapp ou redes sociais

Crise de ansiedade por descoberta de infidelidade através do whatsapp ou redes sociais

Há cerca de 15 anos, durante os atendimentos de pacientes com queixas emocionais relacionadas à descoberta de infidelidade do parceiro , quase sempre o paciente informava que a descoberta da infidelidade ocorreu devido a um telefonema, um bilhete encontrado em um bolso de paletó ou uma mancha de batom na roupa. Algumas raras vezes o paciente informava que contratou um detetive particular para seguir e investigar o parceiro.

Mas atualmente tudo mudou quando se trata de descoberta de infidelidade. Em quase 100% das vezes o paciente me conta que encontrou uma mensagem indiscreta no whatsapp do  parceiro ou uma imagem/mensagem indiscreta nas redes sociais.

Muitos pacientes que se encontram angustiados pela suspeita de estarem sendo vítimas de adultério ou traição chegam a clonar o whatsapp de seus parceiros,  passando a ter acesso às mensagens trocadas por eles com outras pessoas.  Essa invasão de privacidade, que demonstra o grau de desconfiança, angústia e descontrole daquele que efetuou a clonagem, acaba as vezes sendo punida com o acesso a informações traumáticas em seu conteúdo.

Cada vez mais frequentemente os pacientes mostram mensagens clonadas, cujo conteúdo varia do romântico ao erótico, trocadas entre seus parceiros e uma terceira pessoa.

Perceba então prezada(o) leitora(o): as próprias pessoas que não tem sido fiéis estão fornecendo os meios para serem descobertos, ao deixarem mensagens gravadas a respeito do affair!

Nas redes sociais,  fotografias e postagens indiscretas de outras pessoas costumam denunciar a infidelidade, mas nada supera o aplicativo whatsapp em frequência.

Percebo também nas consultas que não tem adiantado o uso de senhas de segurança pela pessoa infiel. Quase sempre o paciente relata que o parceiro se descuidou e deixou o celular desbloqueado, permitindo assim o acesso às informações indiscretas.

A propósito, por mais que uma pessoa alegue direito à privacidade, o uso de senhas e bloqueios no uso de redes sociais fatalmente desperta suspeitas de infidelidade no parceiro.

Infelizmente, o resultado final dessas descobertas costuma ser traumático tanto para o infiel quanto para seu parceiro, e atinge as vezes até a terceira pessoa envolvida, visto que em muitos casos que atendo a terceira pessoa também é comprometida.

As reações iniciais  da pessoa vítima de traição variam de alívio pela descoberta já suspeitada até choque emocional paralisante, passando por crises de ansiedade, choro, raiva e ira. Insônia, perda de apetite e total desânimo são comuns.

Já a pessoa infiel costuma ficar desconcertada, sem reação, tenta dar explicações, se desespera diante do sofrimento e do risco de perda da pessoa amada. Outros tentam inverter a situação, culpar o outro, não assumir a culpa.

O denominador comum costuma ser uma incapacidade de lidar como o problema, que tende a se arrastar, gerando muito sofrimento para todas as partes envolvidas. A resolução costuma ser mal realizada, geralmente por falta de ajuda profissional, pois somente quem  trabalha e tem experiência na área entende todos os fatores que podem conduzir à infidelidade e ajudar na superação deste evento traumático.

Texto de autoria do Dr. Lincoln Andrade*

Permitida e reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site)

*Dr. Lincoln Andrade é medico psiquiatra especializado no tratamento de pessoas em crise emocional, estresse, ansiedade e pânico. Atende pessoas em crise emocional de origem amorosa e sexual há 15 anos. É sexólogo formado pelo projeto sexualidade (PROSEX) do hospital das clínicas da USP. Agendamento de consultas pelos fones (41) 30391890 e 996437333.