fbpx

Vamos falar sobre insônia?

 

Os distúrbios que afetam o sono têm variadas causas, Porém, o distúrbio do sono mais comum é a insônia, definida como:

Dificuldade persistente para início, duração, consolidação ou qualidade do sono, que ocorre a despeito de adequada oportunidade e circunstância para adormecer, e que resulta em algum tipo de prejuízo diurno.

É uma das queixas mais comuns apresentadas pelos pacientes aos médicos, e tem variadas causas. Trata-se de um problema crescente no mundo todo.

De um modo prático, a insônia pode ser classificada em três tipos:

1) Dificuldade para adormecer

2) Dificuldade em manter o sono, chamada de insônia de manutenção

3) Despertar precoce

O curso da insônia é variável, sendo classificada também em três tipos:

1) Aguda: caracterizada por dificuldade para dormir que ocorre em resposta a situações isoladas de vida, de curta duração.

2) Recorrente: caracterizada por pelo menos dois episódios de insônia aguda no período de 1 ano.

3) Crônica: que ocorre pelo menos 3 vezes por semana, por no mínimo 3 meses.

A insônia típica começa com a ação de um fator estressor, mas pode ser consequência de hábitos ruins de sono ou preocupações que antecedem o adormecer. Pode também surgir como sintoma de uma doença orgânica ou mental, podendo evoluir finalmente como um transtorno do sono independente da causa que lhe deu origem.

São comuns na insônia os estados de hiperalerta,de  ativação mental, mais evidentes quando o momento de dormir se aproxima. Nesse período a pessoa fica angustiada, preocupada com seu sono e a respeito de como será o dia seguinte, após uma noite mal dormida. A ruminação de pensamentos, chamada de “cabeça que não desliga”, é muito comum.

Esses estados mentais de excitação nervosa mantêm o corpo em  elevado nível de alerta, antagonizando o relaxamento e o adormecer natural. A situação costuma ser agravada pela permanência na cama, sem conseguir dormir, e pela tentativa de aquietar a mente para tentar dormir, o que acaba amplificando o estado de alerta.

Os prejuízos diurnos mais comuns da insônia envolvem cansaço, fadiga, dificuldade de concentração e memória, sonolência, humor depressivo ou irritado e redução da motivação. Riscos de acidente no transito ou no trabalho, além de prejuízos na aprendizagem, não são raros. A qualidade de vida fica muito comprometida, principalmente na insônia crônica, e funciona como desencadeante de doenças.

As causas da insônia incluem estresse elevado, hábitos inadequados de sono, transtornos psiquiátricos como ansiedade e depressão e condições médicas como diabete e asma . Incluem também o uso de certos medicamentos, consumo de álcool e drogas, gênero sexual e ciclo de vida. Muitas condições ao mesmo tempo médicas e psiquiátricas, como, por exemplo, a fibromialgia e o intestino irritável, também são ligadas à insônia.

É  preciso diferenciar a insônia e suas causas de outros transtornos do sono, cuja causa pode ser neurológica ou respiratória. Exemplos desses últimos são a apnéia do sono, de base respiratória, e a síndrome das pernas inquietas, de base neurológica, entre outras.

Entre as causas citadas, o estresse e os transtornos psiquiátricos são os mais freqüentes causadores da insônia, e não por acaso um dos sintomas mais precoces do estresse é a dificuldade para dormir. Somos bombardeados por inúmeros estímulos durante um dia típico, ficando então hiperalertas, muito ativados. Por isso a noite temos dificuldade para relaxar e dormir.

Para complicar, valorizamos cada vez menos o sono. A crescente parafernália eletrônica e a internet estão eliminando os hábitos saudáveis de sono e transformando os prejuízos do sono em um problema de saúde pública. É muito importante lembrar que a insônia pode desencadear graves problemas de saúde em longo prazo, entre eles a doença coronariana.

O tratamento da insônia começa com uma boa avaliação da condição clinica e emocional da pessoa insone, para descartar outros distúrbios do sono que não a insônia, distúrbios como a apnéia do sono, de base respiratória, e a síndrome das pernas inquietas, de base neurológica, entre outros.

Quando se trata de insônia, o  tratamento pode envolver higiene do sono, o controle de estímulos que favorecem o sono, controle do tempo na cama, técnicas de relaxamento, psicoterapia para insônia e uso de medicamentos.

Na clínica Dr. Lincoln Andrade oferecemos tratamento da insônia com e sem uso de medicamentos. O controle da insônia sem medicamentos é um trabalho realizado em nosso centro de treinamento em relaxamento profundo.

Texto de autoria do Dr. Lincoln Cesar Andrade*

Permitida a reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site).

*Dr. Lincoln C. Andrade é médico psiquiatra com residência médica  pelo hospital das clínicas da USP (HC/RP-USP), especializado no atendimento de pacientes em crises emocionais, estresse elevado, medo e pânico. Tem vinte anos de experiência na área. É também especialista em sexualidade humana pelo projeto sexualidade do hospital das clínicas da faculdade de medicina da USP (HC/USP). Criou e mantém em sua clínica o programa CALMA, para tratamento do transtorno de pânico, e o o Centro de  relaxamento profundo, de medicina integrativa, mente e corpo. Dr. Lincoln também mantém um canal no youtube, a Escola de saúde mental, para o ensino gratuito sobre saúde mental e qualidade de vida.

Atendimento presencial, domiciliar e por telemedicina (para todo Brasil). Agendamento de consultas pelos fones (41) 30391890 e 996437333.

"Clínica Dr. Lincoln Andrade, a clínica de referência no tratamento do estresse elevado,  ansiedade, pânico e crises nervosas em Curitiba".

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário