Suicídio de adolescentes homossexuais e LGBT e sua prevenção

O PROBLEMA

Adolescentes com orientação sexual homossexual, bissexual ou pertencentes a comunidade LGBT estão sujeitos a altos níveis de estresse e apresentam taxas de suicídio acima da média para sua faixa de idade.

Devido ao preconceito sexual e suas diferentes manifestações, como ocorre por exemplo na homofobia,  adolescentes LGBT estão sujeitos a altos níveis de estresse.  Abaixo algumas  situações  relacionadas que sobrecarregam emocionalmente esses adolescentes:

  1. Dificuldade em ter certeza de sua orientação sexual devido a pouca idade e experiência sexual
  2. Dificuldade extrema em tornar pública sua orientação sexual homossexual ou bissexual, ou sua identidade de gênero transexual, por medo de sofrer preconceito e estigmatização dos amigos, da família e de estranhos
  3. Não poder, quando ainda não assumiu seu singularidade sexual, exercer livremente sua sexualidade por medo de agressões verbais e físicas , ameaças, humilhações
  4. Ser vítima de Bullying na escola.

OS SINTOMAS

Por ser muito jovem o adolescente geralmente tem poucos recursos mentais e emocionais para enfrentar tais situações estressantes. Muitas vezes opta por fingir sexualidade heterossexual, as vezes foge de casa para poder se assumir em sua sexualidade. Muitas vezes sofre de ansiedade, depressão e infelizmente muitos tentam cometer ou comentem suicídio.

Muitos não tem recursos familiares ou apoio de colegas, e não conseguem se abrir a respeito com ninguém pelo medo do preconceito. Sofrem em silêncio ou buscam apoio em grupos de iguais na internet. Muitas vezes evoluem com depressão, desespero e o risco de suicídio aumenta devido a falta de suporte da comunidade. É importante lembrar que o problemas geralmente não é a sexualidade do adolescente, mas  a carga emocional determinada pelo preconceito. Muitos suicídios de adolescentes com causa desconhecida tem essa situação como causa.

Resultado de imagem para bullying stress youth

O TRATAMENTO

O tratamento envolve desde esclarecimento do problema à comunidade, informação nas escolas, em grupos de professores e conscientização de pais quanto ao preconceito. Vale ainda lembrar que sexualidade não é escolha, que cada é o que é, e assim vem ao mundo. Isso ajuda muito a evitar demonstrações de preconceito por falta de informação.

Situações indicativas de sofrimento emocional/mental pelo adolescente, independente do problema,  indicam a necessidade de busca de avaliação por um psiquiatra ou psicólogo qualificado. Adolescentes sob suspeita de risco de suicídio devem ser levados imediatamente para atenção psiquiátrica.

psiquiatra curitiba

Texto do Dr. Lincoln Andrade

Permitida a reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site)

 

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário