Depressão por término de relacionamento amoroso

Entre as possíveis reações emocionais causadas pelo término de um relacionamento amoroso importante encontra-se a  depressão.

Tendo que lidar com sentimentos como rejeição, abandono e menosvalia, sentindo-se só no mundo, a pessoa muitas vezes sucumbe à tristeza e ao peso do estresse e deprime.

A depressão talvez seja o mais incompreendido dos quadros psiquiátricos. Frequentemente confundida com tristeza (a tristeza é somente um sintoma de depressão), é comum amigos e familiares, diante de uma pessoa deprimida, dizerem coisas como "reaja, saia de casa, se divirta, vá caminhar".

Esses conselhos são bem intencionados mas pouco ajudam a pessoa deprimida, visto que depressão é um quadro caracterizado por tristeza, perda de interesse nas atividades, falta de energia, estresse elevado, insônia ou excesso de sono, perda de apetite, dificuldade de concentração e memória, perda de rendimento no trabalho. Além do mais o pensamento da pessoa que sofre por amor tem como foco quase exclusivo o parceiro que a deixou, frequentemente pensamentos ruminativos de culpa ou raiva.

Muitas pessoas evoluem para ideação suicida, outras tentam suicídio e algumas acabam por se suicidar. Como profissional de saúde mental que trabalha com aconselhamento e tratamento de pessoas que sofrem por amor há 15 anos, sempre me preocupo com a falta de sensibilidade com que os pacientes relatam ter sido atendidos em serviços de saúde, mesmo em serviços médicos de saúde mental, onde chegam em apresentando crises nervosas ou francamente deprimidos.

Infelizmente a dor do amor ainda é muito pouco compreendida  no meio médico e pelas pessoas que nunca sofreram por amor.

Texto escrito pelo Dr. Lincoln Cesar Andrade. Permitida a reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site).

*Dr. Lincoln oferece um seminário sobre os fundamentos que conduzem ao sucesso nos relacionamentos amorosos e na vida sexual. Clique em Cursos e Palestras sobre Amor e Sexualidade neste site.

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário