Ansiedade: a doença dos pensamentos preocupantes

A característica central da pessoa ansiosa, seja uma ansiedade momentânea ou persistente, é a produção de pensamentos preocupantes. Em outras palavras: a pessoa se torna refém de seus pensamentos de preocupação.

Frequentemente a pessoa ansiosa relata que os pensamentos de preocupação não cessam, que as vezes parecem cessar, mas basta alguns minutos de mente desocupada para eles retornarem. E o pior, isso acontece também a noite, dificultando muito o sono. A ansiedade afeta a mente e o corpo, causando perturbação do funcionamento harmônico do organismo.

Alguns fatores geram mais ansiedade do que outros, sendo a preocupação financeira a mais frequente na população em geral. No entanto, para pessoas que sofrem de um transtorno persistente de ansiedade qualquer motivo pode causar preocupação: filhos, cônjuge, saúde, etc.

Nem toda ansiedade é negativa. Quando sentimos ansiedade diante de um desafio ela nos estimula a analisar, enfrentar e procurar superar o desafio. A ansiedade negativa, também chamada patológica, é aquela intensa e persistente ao longo do tempo, aquela que não tem nenhuma utilidade ou que causa sofrimento significativo.

Didaticamente os sintomas de ansiedade podem ser divididos em dois tipos: psíquicos e somáticos, estes últimos se referindo à ansiedade que se sente no corpo.

A ansiedade psíquica é composta principalmente de preocupações com o futuro, a chamada ansiedade antecipatória, e de avaliações catastróficas quanto a possibilidade de ocorrência de eventos negativos. Diante de preocupações constantes o sistema nervoso é ativado de modo persistente, com objetivo de preparar o corpo para o enfrentamento das situações temidas.

A ansiedade somática é composta pelos sinais e sintomas físicos da ativação causada pelas preocupações, que podem ser múltiplos, mas frequentemente envolvem taquicardia, sensação de opressão no peito, dores tensionais, aperto na garganta, tremores, sudorese, alterações digestivas, do sono, cefaleia e vertigem. A ansiedade elevada ou persistente causa cansaço físico, irritabilidade e esgotamento, levando ao adoecimento físico e à depressão.

A ansiedade patológica recebe o nome de transtorno de ansiedade, e se subdivide em vários tipos: transtorno de ansiedade generalizada (TAG), Transtorno de pânico (TP), Transtorno de ansiedade social ou fobia social (TAS), Transtorno de estresse traumático (TEPT). O Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), que sempre foi considerado um transtorno de ansiedade, recentemente foi enquadrado em categoria própria  denominada transtorno do espectro obsessivo-compulsivo.

Alguns transtornos de ansiedade têm, pelo menos no início, o corpo como centro da preocupação, como ocorre por ocasião das primeiras crises do transtorno de pânico. Outros têm desde o início a preocupação exagerada como gatilho da ansiedade, como ocorre com o transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e na fobia social.

Quem sofre de um transtorno de ansiedade tem baixa qualidade de vida, frequentemente se deprime, vive cansado e irritado, o que afeta também seus familiares, seu desempenho profissional e sua vida sexual.

Para tratar um transtorno de ansiedade e  suas consequências  há recursos farmacológicos, psicoterápicos e técnicas de relaxamento físico e mental, e é preciso também organizar a vida como um todo.

Para haver paz de espírito é muito importante tratar a ansiedade patológica.  Caso a pessoa ansiosa esteja  passando por severos problemas e esteja muito estressada, o tratamento funcionará também como atenuante do sofrimento mental, emocional e do desgaste físico, ajudando a manter a energia e o ânimo para que se possa viver com qualidade e satisfação.

Texto de autoria do Dr. Lincoln Cesar Andrade*

Permitida a reprodução e divulgação desde que citada a fonte (autor e site).

*Dr. Lincoln C. Andrade é médico psiquiatra especializado no tratamento de crises emocionais, estresse, pânico e transtornos de ansiedade. Agendamento de consultas pelos fones (41) 30391890 e 996437333.

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário