Perguntas Frequentes

Seguem abaixo perguntas feitas frequentemente ao Dr. Lincoln Andrade no consultório e em suas aulas:

P.

Dr. Lincoln, de que maneira eu posso controlar meu estresse ou minha ansiedade sem medicamentos?

R.

Em primeiro lugar é preciso avaliar exatamente de que tipo de problema se trata. A indicação de métodos de relaxamento deve ser feito de acordo com o diagnóstico. Muitas vezes não é possível descartar o uso de medicamentos ou psicoterapia.

De todo modo, sempre que possível o paciente ansioso ou estressado deve aprender técnicas que permitem acalmar a mente e relaxar o corpo. O relaxamento pode ser atingido por intermédio da mente ou do corpo, pois não existe separação entre mente e corpo.

Qualquer boa técnica que permita acalmar a mente e relaxar o corpo faz com que o sistema nervoso saia do estado de alerta e entre no estado de acalmia, com consequente melhora da energia, do repouso, sono, libido e bem estar geral. Cabe lembrar que tais técnicas, que envolvem desde meditação até terapia corporal, não funcionam para quem não tem treinamento adequado, ou seja, funcionam em uma base preventiva e não como paliativo para crises nervosas.

P.

Ouço pessoas comentando que os psiquiatras prescrevem medicamentos que deixam as pessoas dopadas ou aéreas. Isso é verdade?

R.

Psiquiatras são especialistas em psicofármacos, e conhecem seus efeitos. Nenhum plano de tratamento em saúde mental admite deixar pacientes sedados ou desorientados.

Infelizmente, há casos psiquiátricos graves que momentaneamente exigem uso de doses de medicamentos com potencial sedativo. Esses pacientes precisam ser vistos frequentemente para acompanhamento rigoroso e para evitar efeitos colaterais desnecessários.

Por outro lado é importante lembrar que muitas pessoas fazem automedicação, usam medicamentos de familiares e conhecidos, ou indicados por atendentes de farmácias, sem o necessário acompanhamento médico. E é importante lembrar também que a prescrição de psicofármacos não é exclusividade de psiquiatras, pois qualquer médico pode prescrevê-los.

Finalmente, há muito mitos a respeito da psiquiatria, que tiveram origem no passado, época dos manicômios e camisas de força, mas que o cinema e as telenovelas reforçam continuamente.

P.

Dr. Lincoln, o senhor faz seminários sobre trabalho, dinheiro e amor. Por que um psiquiatra para falar desses assuntos?

R.

Trabalho na área de relacionamentos amorosos desde 2002, sexualidade desde 2008, e na área de saúde mental e trabalho desde 2009. A área de finanças aprendi na formação em engenharia ainda na década de 1980.

Tenha absoluta clareza da importância central que essas áreas representam, quando bem cuidadas, para uma vida de baixo estresse. Portanto, com a experiência adquirida ao longo de tantos anos, desenvolvi meus seminários sobre sucesso profissional, financeiro e afetivo-sexual a partir da seguinte pergunta: se eu tivesse hoje 18 anos, o que seria fundamental eu saber para que pudesse ter sucesso nessas importantes áreas da minha vida?

As respostas à essa pergunta fundamental compõem o conteúdo dos meus seminários que, diga-se de passagem, não são úteis somente aos jovens, mas para eles são extremamente importantes.

P.

Dr. Lincoln, o senhor é psiquiatra e trata estresse e ansiedade, mas psiquiatras não tratam de pessoas loucas, com doenças mentais graves?

R.

A imagem popular de psiquiatra como médico somente de doentes mentais graves vem de um passado ainda relativamente recente, da história dos manicômios e camisas de força, e da perpetuação desta imagem que as novelas e o cinema reforçam cotinuamente. Atualmente, com a evolução das pesquisas em neurociências ,o psiquiatra trata muito mais frequentemente de problemas emocionais relacionados a estilo de vida estressante do mundo moderno, entre eles os quadros de estresse excessivo e transtorno de ansiedade.

P.

Se o estresse é normal na vida de qualquer pessoa, por que tratá-lo?

R.

Na verdade não tratamos mas controlamos o estresse quando excessivo e prolongado, situações nas quais ele se torna prejudicial a saúde física e mental.

P.

Dr. lincoln, Ansiedade e transtorno de ansiedade são a mesma coisa?

R.

Não, como já descrito acima, ansiedade pode ser uma reação normal do organismo em situações de novidade ou medo, e nos deixa em estado de alerta, mais ativos. Já um transtorno de ansiedade é um estado patológico, persistente, e que causa grande sofrimento emocional à pessoa afetada. Como exemplo cito o TAG, transtorno de ansiedade generalizada, no qual a pessoa afetada alterna continuamente preocupações diversas e sofre com sintomas emocionais e físicos, o que leva a intenso degaste, falta de energia, sono ruim e até depressão.

P.

Qual a diferença entre nervosismo e ansiedade?

R.

Nervosismo é um termo clássico, popular, e se refere a sistema nervoso excitado. Ansiedade se refere ao mesmo significado, mas se trata de termo mais usado atualmente.

Ansiedade é uma reação do organismo ligado ao medo ou a novidade, um estado de ativação do sistema nervoso, mas que se apresenta de modo inespecífico, independente da causa, e pode ser perfeitamente normal. Divide-se didaticamente em ansiedade psíquica (mente) e ansiedade somática (corpo), mas na prática mente e corpo são continuidade um do outro, não existe divisão.

P.

Dr. Lincoln. o que é estresse?

R.

Estresse, melhor dizendo fator gerador de estresse ou fator estressor, é tudo aquilo que gera uma necessidade de adaptação, como por exemplo um emprego novo, o nascimento de um filho, ou mesmo algo menos importante como uma discussão de casal.